• A Capela é aberta diariamente ao público para a Missa conventual às 7h00, de Segunda-feira a Domingo.

Atendimento na Portaria: 8h30 às 12h00 e 14h00 às 18h00.

• Para visitas e atendimento pessoal, agendar com antecedência.

• No Advento, Quaresma e no 1º Domingo de cada mês (retiro mensal) não recebemos visitas.





Santa Teresa de Jesus-Preparação para o V Centenario do seu Nascimento

Cipe

Archives Du Carmel De Lisieux

GOT – Grupo de Oração Teresiana

V Centenário Teresiano

Carmelitas - Portugal

Casa Natal de Santa Teresa de Jesús
Carmelitas Descalzos - Ávila
“O sol que desponta te encontre com a Bíblia nas mãos.” (Evágrio)
Muitos são os frutos da Lectio Divina. Segundo S. Bento, conduz-nos à perfeição; segundo S. Bernardo, infunde-nos sabedoria; segundo nossa Santa Madre Teresa de Jesus, produz conhecimento experimental da Suma Verdade (Vida 40, 3); segundo nosso Pai São João da Cruz, a centralidade de Jesus Cristo, Cristo-Palavra, Palavra única, a Palavra definitiva do Pai (II Subida 22, 6)
A Lectio Divina é um caminho para descobrir as estruturas da experiência espiritual do Antigo e do Novo Testamento, que devem ser as de autêntica vida contemplativa.
No Antigo aparece já a convicção da Presença e da ação de Deus na História. Por isso, nela Deus se revela e é ali onde o encontra para receber a Salvação.
Na escuta orante e contemplativa da Sagrada Escritura, vamos adquirindo o “senso de Deus.”
- os acontecimentos de nossa existência não são efeito de sorte ou de azar, mas se inserem numa trama tecida por Deus, assim como a História do Povo de Israel;
- o desígnio de Deus por meio da História, e essa percepção ajuda a decifrar os chamamentos de Deus em nossa história pessoal, bem como na história e situações concretas das pessoas;
- “a experiência bíblica de Deus nos ensina a aceitar que Deus é sempre maior, novo e desconcertante; que seus caminhos não são os caminhos humanos e seus pensamentos não são os dos homens; por isso, a estarmos sempre abertos a novos modos de experimentar Deus, sempre surpreendente e incompreensível. Leva-nos a assumir os desafios da História e a descobrir as realidades esperançozas que, como sementes de vida e de ressurreição, se dão na História.” (Frei Camilo Maccise).
“A oração e a contemplação são o lugar de acolhida da Palavra de Deus e, ao mesmo tempo, brotam da escuta da Palavra. Sem uma vida interior de amor que atraia a si o Verbo, o Pai e o Espírito (Jo 14, 23), não pode haver um olhar de fé e, por conseguinte, a própria vida vai perdendo gradativamente o sentido; o rosto dos irmãos torna-se opaco, assim torna-se impossível descobrir neles o rosto de Cristo; os acontecimentos da História permanecem ambíguos, ou mesmo desprovidos de esperança, e a missão apostólica e caritativa decai em atividade dispersa.” (Partir de Cristo 25)
Mais do que elaboração de um “método”, da Lectio Divina, sentimos o premente desejo de vivenciar as riquezas que nossa vida Carmelitana nos oferece. Um empenho maior para proporcionar a cada Monja um ambiente que permita vivenciar as palavras do salmista: “Como a corça brame por águas da torrente, assim minha alma está bramindo por ti, ó Deus! Minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando voltarei a ver a face de Deus?” (Sl 41(42))
De nossos Santos reformadores do Carmelo, nossa Santa Madre Teresa e nosso Pai São João da Cruz aprendemos o “método”, a atenção amorosa a Deus que nos dispõe para que o Espírito Santo possa nos dar aquele sentido da Palavra de Deus, o que constitui a vivência “hoje”, na História e no tempo, da mesma Palavra. A Palavra de Deus é Eterna, como Deus é Eterno. Não tem ontem nem hoje; foge ao tempo; é gravada no coração.
Um sonho para esta sociedade como a nossa, onde tudo é trepidação, movimento, corrida desenfreada, tendência ao imediatismo, cuja menor preocupação é o sobrenatural.

Conclusão:
“A leitura busca a doçura da vida bem-aventurada, a meditação a encontra, a oração a pede e a contemplação a saboreia. A leitura leva comida sólida à boca, a meditação a mastiga e rumina, a oração prova o seu gosto e a doçura já alcançada.” (S. Guido)
“Eu te pergunto, irmão caríssimo, viver entre estas coisas, meditá-las, não saber nada fora delas, não te parece que é ter aqui na terra uma morada celeste?” (S. Paulino de Nola)



Monjas Carmelitas Descalças
Carmelo de São José e da Virgem Mãe de Deus
Santos
4h40: Despertar

5h: Ofício Divino da Manhã

5h30 às 6h30: Oração silenciosa, pessoal

6h30: Ofício Divino, Hora Terça

7h00: Celebração da Eucaristia

Café / Trabalho (Formação para o Noviciado)

11h00: Ofício Divino, Hora Sexta / Exame de consciência

11h30: Refeição/ Louça / Recreio

13h00 às 14h00: Silêncio sagrado/Tempo livre

14h00: Leitura espiritual de formação

14h45: Ofício Divino, Hora Nona/ Trabalho

16h35: Ofício Divino, da Tarde

17h00 às 18h00: Oração silenciosa, pessoal

18h00: Refeição/ Louça / Recreio

19h35: Ofício Divino, Completas/ Silêncio sagrado

21h00: Ofício Divino, de Leituras/ Repouso
www.carmelodesantos.com.br
R. Dom Duarte Leopoldo e Silva, 50 - Santos/SP