• A Capela é aberta diariamente ao público para a Missa conventual às 7h00, de Segunda-feira a Domingo.

Atendimento na Portaria: 8h30 às 12h00 e 14h00 às 18h00.

• Para visitas e atendimento pessoal, agendar com antecedência.

• No Advento, Quaresma e no 1º Domingo de cada mês (retiro mensal) não recebemos visitas.





Santa Teresa de Jesus-Preparação para o V Centenario do seu Nascimento

Cipe

Archives Du Carmel De Lisieux

GOT – Grupo de Oração Teresiana

V Centenário Teresiano

Carmelitas - Portugal

Casa Natal de Santa Teresa de Jesús
Carmelitas Descalzos - Ávila
Nossa Santa Madre Teresa de Jesus buscou a Cristo apaixonadamente, este mesmo Cristo que nos é revelado pela Sagrada Escritura.
Identificava-se com “simplicidade” à personagens como a Samaritana (V 30, 19); Maria Madalena (V 9, 2), e circunstâncias bíblicas como por exemplo a agonia de Jesus no Horto (V 9, 4), fatos concretos que Jesus viveu em sua vida.
Mulher profundamente humana aproximava-se interiormente (V 7, 8) ao Seu Verbo humanado numa relação íntima e pessoal, trato de amizade (V 8, 5). Por isto pesava-lhe muito o não ter acesso diretamente a Sagrada Escritura, pois sempre “me recolheram mais as palavras do Evangelho (que saiam daquela sacratíssima boca assim como as dizia (CE 35, 4) que livros muito conceituados (V 21,4)”. E também “porque todo o dano que vem ao mundo é por não conhecer as verdades da Escritura...” (V 40,1)
“Visto que ignorar as Sagradas Escrituras é ignorar o próprio Cristo. (Santo Agostinho)”, o que certamente nossa Santa Madre “não poderia sofrer”, (V 22) daí que sempre tenha tido muito gosto pelos “letrados”, pois “na Escritura que tratam, sempre acham as verdades do bom espírito” (V 14, 18). “É grande coisa as letras, pois estas nos ensinam e nos dão luz” (V 13, 16).
Aplicava naturalmente as situações da Sagrada Escritura para manifestar a sua experiência, ainda que nem sempre pudesse afirmar com certeza a exatidão de suas citações. Citações estas que eram abundantes, tendo em conta as circunstâncias e o momento histórico em que Santa Madre viveu – tomando como exemplo o livro Castelo Interior onde cada morada tem a sua tipologia bíblica própria (M. Herraiz Garcia, Introducción a “Las Moradas”, Desierto de las Palmas).
A identificação de nossa Santa Madre com os personagens da Sagrada Escritura revela a necessidade que tinha de uma relação pessoal e muito vivencial com Cristo. Ela não deixa lugar a teorias ou ao menos não as quer só... Assim, a quem tiver facilidade de discorrer (na oração), aconselha a não cansar “tanto o entendimento, mas que ‘fique-se ali’, com Ele, calado o entendimento”. (V 13, 32; 13, 11)
Para nossa Santa Madre a oração é comunhão de vida (V 23, 7-9), a Sagrada Escritura, ela tem presente sempre a nível vivencial. A Sagrada Escritura é a Verdade e a Verdade é Cristo.
Tem o seu espírito penetrado da Sagrada Escritura; Deus se revela a ela, a introduz na Palavra “por dentro”, por amor.
4h40: Despertar

5h: Ofício Divino da Manhã

5h30 às 6h30: Oração silenciosa, pessoal

6h30: Ofício Divino, Hora Terça

7h00: Celebração da Eucaristia

Café / Trabalho (Formação para o Noviciado)

11h00: Ofício Divino, Hora Sexta / Exame de consciência

11h30: Refeição/ Louça / Recreio

13h00 às 14h00: Silêncio sagrado/Tempo livre

14h00: Leitura espiritual de formação

14h45: Ofício Divino, Hora Nona/ Trabalho

16h35: Ofício Divino, da Tarde

17h00 às 18h00: Oração silenciosa, pessoal

18h00: Refeição/ Louça / Recreio

19h35: Ofício Divino, Completas/ Silêncio sagrado

21h00: Ofício Divino, de Leituras/ Repouso
www.carmelodesantos.com.br
R. Dom Duarte Leopoldo e Silva, 50 - Santos/SP