icon face  icon twitter  icon youtube

“Ouve, ó filha, vê e inclina teu ouvido” sl 44,11

“Ouve, ó filha, vê e inclina teu ouvido: esquece o teu povo e a casa de teu pai” sl 44,11. Este é um versículo que confirma o chamado de Deus em minha vida, pois observava em mim o desejo de solidão e de silêncio.
Embora estivesse ciente de minha vocação, sem saber ainda qual o carisma pensava também que não era chegado o tempo de abraçar a vida religiosa; sentia-me muito bem estudando, buscando a Deus. Aconteceu que minha mãe ficou parcialmente dependente e tive a graça de cuidar dela por alguns anos até o dia que nosso Senhor a levou.
Após sua morte fui fazer um retiro de deserto por 8 dias. Foi então que entendi estar sendo vítima de uma armadilha do inimigo que me levava a adiar meu ingresso na vida religiosa e fazer-me desistir. Foi grande a misericórdia de Deus para comigo que me esperou até o dia em pude entender tudo isso e decidir-me a dar o meu “sim” ao Seu chamado.
Dirigi-me a um Sacerdote para orientar-me e ele mesmo me incentivou a procurar o Carmelo, advertindo-me que seria impossível pela idade a menos que fizessem uma exceção. Fiquei muito desconcertada e com medo, mas saí da igreja com esta frase: “Não há ninguém que possa te livrar da minha mão; quando faço, quem poderá desfazer?” Is 43,3
Fui a uma Carmelo mas não puderam me receber pois já estava completo o número das Irmãs. A Priora, porém, iluminada por Deus entrou em contato com o Carmelo de Santos que precisava de vocações. Imediatamente liguei para o Carmelo e pediram que eu deixasse o telefone que a Priora entraria em contato. O que imaginei que tudo seria muito rápido demorou 1 ano!!! Nosso Senhor quis provar a minha fé, foi uma grande “noite escura”, mas Ele me sustentava com a sua graça. Como o tempo passava e não obtinha resposta do Carmelo entrei em contato uma segunda vez. Fui convidada a fazer uma visitinha para conhecer as Irmãs e acompanhada por alguns meses ela Priora. Logo depois recebi a notícia que as Irmãs me acolheriam, graças ao bom Deus.
Fiz um período de experiência para mim impactante. Iniciei depois o Postulantado e providencialmente no Domingo da Misericórdia. Ao ingressar na clausura questionei-me: “Porque não vim antes?!!!”
Sinto-me muito feliz aqui no Carmelo. À Deus gratidão infinita por me amar tanto e por ter iluminado as Irmãs que me acolheram!

Irmã Maria do Amor Misericordioso de Deus, ocd